fbpx

Auxiliar de Necropsia e Tanatopraxia

O auxiliar de necropsia dá assistência ao médico legista na análise da causa mortis. É o auxiliar de necropsia quem prepara a sala de necropsia, faz a assepsia do local e dos instrumentos utilizados no procedimento necroscópico.

O tanatopraxista é o profissional responsável pelo processo de conservação do cadáver, em algumas situações, o corpo pode apresentar extravasamento de líquidos e grandes hematomas pelo corpo e rosto, o tanatopraxista realiza processos de conservação para os corpos que precisam ser transladados necessitando de um período maior de conservação.

O curso conta com professores preparados e atuantes na área.

 

Área de Atuação

Além de ser um curso profissionalizante para atuação em empresas privadas e públicas: Clínicas de tanatopraxia e funerária, tanatórios, laboratórios de anatomia, hospitais ou Concurso Público. Também podendo atuar de forma autônoma.

O conteúdo ministrado nas aulas pode auxiliar em sua jornada de estudos para concursos públicos na área de auxiliar de necropsia, pois sabemos o quanto é importante para o aluno estar apto para ser aprovado em concursos públicos da Polícia Científica ou nas Prefeituras que possuem os SVOs (Serviço de Verificação de Óbitos).

 

Objetivo

Capacitar o aluno sobre as áreas das Ciências Mortuárias: Necropsia e Tanatopraxia, com disciplinas pertinentes para exercícios de função na área.

 

Público-Alvo

Profissionais da Área da Saúde, profissionais da área que desejam uma especialização ou pessoas em busca de uma nova atividade profissional.

 

Mercado de Trabalho

Clínicas de tanatopraxia e funerária, tanatórios, laboratórios de anatomia, hospitais ou Concurso Público.

 

Grade Curricular

História da Necropsia

  1. Necropsia Forense
  2. Necropsia X Autópsia
  3. Fatos Históricos
  4. Ética
  5. Decálogo Ético do Perito
  6. Utilizando A Ética e Evitando Problemas

Medicina Legal – Forense

  1. Relevância do Estudo da Medicina Legal
  2. Pode Ser Realizada por Perito
  3. Momento de Atuação do Perito
  4. Honorário do Perito
  5. Perícia
  6. Espécies de Exame de Corpo de Delito
  7. Contextualização Legal da Perícia
  8. Documentos Médico-Legais
  9. Em Relação A Origem/Procedência
  10. Em Relação A Finalidade
  11. Em Relação Ao Conteúdo
  12. Espécies de Documentos Médico-Legais
  13. Confecção do Relatório
  14. Quesitos

Criminalística

  1. Objetivo
  2. Definição
  3. Crime
  4. Local
  5. Local Interno
  6. Local Externo
  7. Local Imediato
  8. Local Mediato
  9. Classificação de Acordo Com A Natureza do Crime
  10. Preservação de Local de Crime
  11. Classificação do Local do Crime
  12. Levantamento Técnico-Pericial
  13. Estudo do Local
  14. Registro do Local
  15. Perinecroscopia (Art. 164 e 165 do Cpp)
  16. Exame Perinecroscópico
  17. Feridas Contusas
  18. Feridas Punctórias (Perfurante)
  19. Feridas Incisas (Cortantes)
  20. Esgorjamento
  21. Decapitação
  22. Enforcamento
  23. Estrangulamento
  24. Esganadura
  25. Sufocação
  26. Soterramento
  27. Afogamento

 Psicologia Forense (Somente Presencial)

  1. Introdução
  2. Objetivos
  3. Pscicologia Juridica
  4. Pscicologia Forence
  5. Pscicologia Investigativa
  6. Criminologia
  7. Pscicologia Criminal
  8. Perfil Criminal

 Fisiologia Humana

  1. Sistema Cardiovascular
  2. Vasos Sanguíneos
  3. Artérias
  4. Veias
  5. Vasos Capilares
  6. Coração
  7. Pulsação
  8. Sistema Respiratório
  9. Funções do Sistema Respiratório
  10. Troca Gasosa
  11. Produção de Sons
  12. Principais Órgãos do Sistema Respiratório e A Defesa Pulmonar
  13. Cavidades Nasais
  14. Faringe
  15. Laringe
  16. Traqueia
  17. Brônquios, Bronquíolos e Alvéolos
  18. Sistema Digestivo ou Sistema Digestório
  19. Componentes do Sistema Digestório
  20. Boca
  21. Glândulas Salivares
  22. Glândulas Parótidas
  23. Glândulas Submaxilares
  24. Glândulas Sublinguais
  25. Faringe
  26. Esôfago
  27. Estômago (Tubo Digestório Médio)
  28. Intestino Delgado
  29. Intestino Grosso (Tubo Digestório Baixo)
  30. Sistema Nervoso
  31. Sistema Nervoso Central
  32. Sistema Nervoso Periférico
  33. Sistema Sensorial
  34. Cinco Sentidos
  35. Sistema Endócrino
  36. Glândulas do Sistema Endócrino
  37. Hipófise
  38. Tireoide
  39. Paratireoides
  40. Timo
  41. Suprarrenais
  42. Erro! Indicador Não Definido
  43. 44.Pâncreas
  44. Glândulas Sexuais
  45. Sistema Excretor Urinário
  46. Como Funciona O Sistema Excretor
  47. Sistema Urinário Excretor
  48. Excreção da Urina
  49. Órgãos Que Atuam No Sistema Excretor Urinário
  50. Rins
  51. Néfrons
  52. Vias Urinárias
  53. Ureteres
  54. Bexiga Urinária
  55. Uretra
  56. Sistema Reprodutor Feminino
  57. Anatomia do Sistema Reprodutor Feminino
  58. Sistema Reprodutor Masculino
  59. Testículos
  60. Epidídimo
  61. Canal Deferente
  62. Vesícula Seminal
  63. Próstata
  64. Uretra
  65. Pênis
  66. Sistema Esquelético
  67. Estrutura dos Ossos
  68. Divisão do Esqueleto
  69. Esqueleto Axial
  70. Crânio e Ossos da Face
  71. Coluna Vertebral

 Sexologia Médica Legal – Forense

  1. Compreensão do Tema
  2. Tipos de Hímen
  3. Estupro
  4. Estupro de Vulnerável
  5. Gravidez
  6. Infanticídio
  7. Estado Puerperal – Puerpério
  8. Aborto Criminoso
  9. Aborto Criminoso – Forma Qualificada
  10. Aborto Não Criminoso
  11. Aborto Piedoso
  12. Aborto Eugênico
  13. Aborto Espontâneo/Natural
  14. Circunstâncias Anômalas da Sexualidade
  15. Intensidades Sexuais
  16. Critério Qualitativo .

 Traumatologia Médica Legal – Forense

  1. Energias de Ordem Física
  2. Temperaturas
  3. Intensidade das Queimaduras Causadas Pelo Frio
  4. Geladuras
  5. Carbonização
  6. Sinal de Montaldi
  7. Sinal de Janesie – Jeliac
  8. Causas de Termonoses
  9. Insolação
  10. Intermação
  11. Pressão Atmosférica
  12. Mal das Montanhas
  13. Mal dos Caixões

Eletricidade

  1. Ação Lesiva da Eletricidade
  2. Fontes de Eletricidade
  3. Natural
  4. Artificial
  5. Sinal de Piacentino

Radiotividade

  1. Fontes de Radiotividade
  2. Natural ou Espontânea
  3. Artificial ou Induzida:
  4. Ação Lesiva da Radiotividade
  5. Lesões Locais:
  6. Lesões Gerais
  7. Luz e Som
  8. Luz
  9. Lesões Causadas Pela Luz
  10. Lesões Causadas Pelo Som

 Energias de Ordem Física –Química

  1. Noções Gerais Sobre Asfixia
  2. Devido A Alteração do Meio Ambiente
  3. Devido A Força Mecânica
  4. Devido A Obstrução das Vias Aéreas
  5. Características Gerais das Asfixias
  6. Sinais Externos
  7. Sinais Internos

 Classificação das Asfixias

  1. Puras
  2. Confinamento
  3. Monóxido de Carbono e Outros Gases Irrespiráveis:
  4. Sufocação
  5. Afogamento
  6. Soterramento

 Complexas

  1. Enforcamento
  2. Estrangulamento
  3. Mista

 Asfixias Em Espécie

  1. Confinamento
  2. Monóxido de Carbono
  3. Sufocação
  4. Sufocação Direta
  5. Sufocação Indireta

 Afogamento

  1. Espécies de Afogamento
  2. Fases do Afogamento
  3. Sinais Externos e Internos do Afogamento
  4. Situações A Serem Observadas Durante A Necropsia

 Soterramento

 Enforcamento

  1. Completo ou Típico
  2. Incompleto ou Atípico

Estrangulamento

Esganadura

 Energias de Ordem Química

  1. Cáusticos e Venenos
  2. Cáusticos
  3. Agentes Cáusticos

 Ácidos

  1. Base
  2. Efeitos dos Agentes Cáusticos
  3. Efeito Coagulante
  4. Efeito Liquefaciente

 Venenos

  1. Classificação dos Venenos
  2. Fisiopatologia
  3. Penetração
  4. Absorção
  5. Distribuição
  6. Fixação
  7. Transformação
  8. Eliminação

 Toxicologia Forense

  1. Critério Clínico
  2. Critério Circunstancial
  3. Critério Anatomopatológico
  4. Critério Físico‐Químico ou Toxicológico
  5. Critério Experimental
  6. Critério Médico‐Legal
  7. Embriaguez

 Meios de Comprovação de Embriaguez Alcoólica

  1. Predisposição da Embriaguez
  2. Espécies da Embriaguez
  3. Voluntária
  4. Culposa
  5. Acidental
  6. Caso Fortuito
  7. por Força Maior
  8. Patológica
  9. Preordenada

 

 Lesão Corporal

 Classificação da Lesão Corporal

  1. Dolosa
  2. Preterdolosa
  3. Culposa
  4. Violência Doméstica
  5. Lesão Corporal Dolosa

 Energias de Ordem Mecânica – Instrumentos

  1. Lesões Produzidas por Ordem Mecânica
  2. Lesões Produzidas por Instrumento Perfurante
  3. Lesões Produzidas por Instrumento Cortante
  4. Produzidas por Instrumento Contundente
  5. Rubefação
  6. Edema
  7. Escoriação
  8. Equimose
  9. Hematoma
  10. Luxação
  11. Contusa

 Lesões Produzidas por Instrumento Corto- Contundente

 Lesões Produzidas por Instrumento Pérfuro- Cortante

 Lesões Produzidas por Instrumento Pérfuro- Contundente

 Orifício de Entrada

  1. Equimótica
  2. Orla de Enxugo
  3. Zona de Tatuagem
  4. Zona de Esfumaçamento
  5. Zona de Chamuscamento ou Queimadura
  6. Zona de Compressão de Gases
  7. Trajeto do Projétil
  8. Orifício de Saída
  9. Características do Ferimento de Entrada
  10. Características do Ferimento de Saída

 Tanatologia

  1. O Momento Exato da Morte
  2. Classificação da Morte
  3. Quanto A Extensão
  4. Quanto A Reversibilidade
  5. Quanto À Causa Jurídica

 Tanatognose

  1. Momento da Morte
  2. Parâmetros
  3. Fenômenos Abióticos Imediatos
  4. Fenômenos Abióticos Consecutivos
  5. Fenômenos Abióticos Transformativos Destrutivos
  6. Autólise

 Putrefação

 Maceração

 Fenômenos Abióticos Transformativos Conservadores

 Animais Post-Mortem

 Cronotanatognose

  1. Técnicas
  2. Docimasias Respiratórias Diretas
  3. Docimasias Respiratórias Indiretas
  4. Docimasias Não Respiratórias
  5. Docimasias Ocasionais Post-Mortem.
  6. Definição
  7. Importância
  8. Tipos

 Necropsia Médico-Legal ou Forense

  1. Verificação de Óbito
  2. Anatomopatológica ou Hospitalar3.
  3. Aspectos Legais
  4. Morte Natural
  5. Morte Fetal
  6. Violenta ou Não-Natural
  7. Instrumental Utilizado Em Necropsia
  8. Tempos da Necropsia

 Técnicas da Necropsia Comentadas

  1. Técnica de Rokitansky
  2. Técnica de Ghon
  3. Técnica de Incisão No Couro Cabeludo

 Remoção da Hipófise

 Abertura da Cavidade Toracoabdominal

 Primeiro Monobloco

 Segundo Monobloco

 Terceiro Monobloco 

Quarto Monobloco

 Técnica de Virchow

 Técnica de Letulle

 Técnica de Fechamento do Couro Cabeludo

 Técnica de Fechamento das Cavidades Torácica e Abdominal

 Oração do Cadáver Desconhecido (1876)

 Biossegurança

  1. Os Principais Fatores de Riscos Que Envolvem As Atividades Em Geral
  2. Princípios de Biossegurança
  3. Tipos de Contenção
  4. Níveis de Biossegurança

 Nível de Biossegurança (Nb-2)

 Nível de Biossegurança (Nb-3)

 Nível de Biossegurança (Nb-4)

 Existem Alguns Fatores Que Determinam A Segurança No Local do Trabalho

  1. Fatores Físicos
  2. Características do Material Utilizado
  3. Manuseio de Equipamentos
  4. Níveis de Contenção
  5. Equipamento de Proteção Individual (Epi’s) – Nr 6
  6. Tipos de Epis Existentes No Mercado

 Certificado de Aprovação (Ca) de Epi

 Tipos de Precauções

 Fundamento de Isolamento e Precauções

 Acidente No Local de Trabalho

 Tipos de Acidente

  1. Exposição A Material Biológico
  2. Acidentes Com Perfuro Cortantes
  3. Exposição de Mucosa Ocular ou Outras Mucosas
  4. Exposição Cutânea
  5. Exposição A Material Químico

 No Ambiente do Necroterio, As Substancias Mais Comuns e Passiveis de Causar Acidentes São

  1. Radioatividade
  2. Tipos de Exposição Ao Cadaverver por Contaminação Radioatividade

 

Tanatopraxia

 Funcionamento de Todos Os Procedimentos da Tanatopraxia

 Trígono Femoral

 Equipamentos e Produtos Necessários Para A Execução da Tanatopraxia.

 Níveis de Tanatopraxia

 Tanatório

Fossa Séptica

Tipos e Características do Preparo

Procedimentos do Tanatopraxista

Procedimento de Tanatopraxia

Risco Químico

Documentação e Padronização

Embalsamamento

Processo de Embalsamar Um Corpo

 A Importância da Técnica de Embalsamar Corpo

Acesso A Partes Importantes da História Mundial

Casos Mais Conhecidos de Embalsamento

Curiosidades Sobre O Processo de Embalsamar Corpo

 

 

Modalidade Aula Presencial Remota (10 meses)
Aulas em ambiente virtual com o professor em tempo real, com suporte de videoaulas e toda infraestrutura de tecnologia educacional em um moderno Ambiente Virtual de Aprendizagem. O aluno terá acesso ao material completo gratuito em apostila online e avaliação. O Curso é aberto para todas as regiões do Brasil, ao término da grade curricular em ambiente remoto, o aluno tem direito ao estágio em SVO e clínicas.

Modalidade Presencial (12 meses)
Aulas presenciais com suporte de videoaulas e toda infraestrutura de tecnologia educacional em um moderno Ambiente Virtual de Aprendizagem. O aluno terá acesso ao material completo gratuito em apostila online e avaliação.

Total da Carga Horaria Teórica, 320h
Estágio Supervisionado, 36h
Total Geral do Curso, 356h

Duração: 12 meses
Aulas 2 vezes por semana

Manhã: 8h às 11h
Tarde: 14h às 17h
Noite: 19h às 22h

Matricule-se

Gratuito
..... ..... .....
..... ..... .....
...... ......
X